Vamos adotar as boas práticas dos mercados desenvolvidos



Por Lorena Ávila
Categoria: Formas de Pagamento, Gestão de Viagens

Share this Post





Eu me pergunto o porquê de nosso mercado manter práticas há muito deixadas de lado pelos países mais desenvolvidos.

Falo especificamente de pagamentos a fornecedores por meio de faturamento direto. Neste caso, incluo também o reembolso de despesas de viagens na conta do viajante ou diretamente em dinheiro.

No último mês, de todas as vezes que você foi ao supermercado, quantas delas usou dinheiro vivo e quantas cartão de crédito ou de débito? Imagino que a grande maioria foi paga com cartão, estou correta? É rápido, seguro e, o melhor, o caixa não tenta me empurrar balinhas como troco.

Segundo a BBC, a Dinamarca estuda pôs fim ao uso de dinheiro vivo em restaurantes, postos de combustível e lojas de roupas já no final de 2016. A Suécia pretende fazer o mesmo. Li uma coisa muito interessante no site da DW: um sem-teto sueco usa uma máquina de débito para vender revistas. Veja o que ele fala a respeito. “Os clientes podem ver depois todos os detalhes da transação e não se sentem enganados”, diz Peter, o sem-teto vendedor de revistas.

Pagamentos eletrônicos trazem transparência ao processo de compra pois o fornecedor cobra diretamente de sua empresa. A passagem aérea é cobrada direto da fonte, não há intermediários. O mesmo acontece com corridas de táxi, refeições, hotéis. Quantas vezes vocês já foram questionados por um frentista no posto, pelo caixa do restaurante ou pelo taxista sobre qual valor você queria na nota? Pois é, isso ainda é comum no Brasil.

Mas vamos falar um pouco sobre como podemos melhorar essas práticas.

Uma das políticas mais simples e úteis que vejo em nossos clientes com matriz nos EUA ou na Comunidade Europeia é a adoção em massa de cartão de crédito para os viajantes. O sujeito é contratado e ganha um cartão de crédito com um limite definido e parametrizado com os estabelecimentos onde a política permite gastos. Isso mesmo, não há riscos. Você define onde e quanto cada viajante pode gastar.
Imagine quantos processos você melhora com uma única solução. Adiantamentos, reembolsos, prazos diversos de pagamentos, transparência, benefícios, etc.

Simples, sim. Fácil, não.

Dá trabalho mudar culturas, mas os resultados virão. Acredite!


Veja nosso post que fala mais sobre formas de pagamento para viagens corporativas.

[atualização] Escrevemos um novo post onde trazemos 5 motivos para mudar a forma de pagamento de viagens da sua empresa.



RECEBA AVISOS DE NOVAS DICAS NO SEU E-MAIL




Continue lendo